9 dicas para manter os acessórios “saudáveis” durante a pandemia

9 dicas para manter os acessórios “saudáveis” durante a pandemia

Com os protocolos de isolamento e higienização, muita coisa ficou guardada no armário e sem utilização (até mesmo quando saíam, as pessoas eram orientadas a evitar acessórios). Mas o que muitos não sabem é que bijuterias, joias, roupas e acessórios em geral podem se desgastar e até estragar se não houver uso contínuo. O que fazer então?

Temos a ideia de que essas peças vão se manter se forem apenas guardadas em locais secos. Mas qualquer acessório pode se deteriorar com o tempo se não houver cuidado. A notícia boa é que é possível, sim, na maioria das vezes, resolver esses estragos”, comenta a designer de joias Monica Rosenzweig, que vive em Cascais, Portugal. Abaixo, ela lista 9 dicas para manter a “saúde” dos acessórios.

 

Lenços: acessórios muito usados para enfeitar os cabelos assim como colares, cintos a até alças de bolsas, os lenços, sejam de seda ou algodão, merecem uma atenção especial. A cada três meses em média, pegue os lenços que estão no armário e lave-os à mão, preferencialmente com sabão neutro e água morna ou fria (nunca quente). Se for colocá-los de molho um tempo (normalmente, isso não é necessário), faça individualmente e por pouco tempo, pois alguns soltam tinta (até mesmo os mais antigos podem soltar) e vão manchar as demais peças. Não esfregue com força, pois alguns são extremamente finos e podem soltar pequenos fios. Quando torcer, se possível, enrole o lenço dentro em uma toalha e torça para remover a água em excesso. Após a limpeza, coloque-os para secar a sombra e, se resolver passar, coloque um outro tecido (como os de fralda) por cima, não deixando o lenço em contato direto com o ferro. Guarde-os de volta no armário, de preferência, em saquinhos separados;

acessórios

 

Peças de couro ecológico (também chamados de fake ou artificial): atualmente, muitas pessoas têm preferido investir em bolsas e acessórios de couro ecológico para evitar o consumo de qualquer produto de origem animal. Mas esse tipo de material, apesar de visualmente ser muito parecido (às vezes, inclusive, não se percebe a diferença), precisa de cuidados constantes, para que não craquele e esfarele. Uma vez por mês, pegue suas peças e passa um hidratante nelas. Isso, mesmo, hidratante. Embora alguns especialistas indiquem vaselina, hidratantes de pele ou cremes de cabelo desempenham bem o papel. Pegue a peça, passe um pano úmido para tirar qualquer poeira (apenas úmido, nada encharcado), deixe secar e comece a “massagem” com o seu creme. Passe por todos os lados. Não esqueça cantinhos, alças, fecho etc. Se tiver alguma parte do material dentro da bolsa, também passe o creme por lá (normalmente, acessórios de couro fake tem o interior de tecido). E atenção: jamais deixe a peça no sol, pois vai ressecar;

 

Peças de couro natural: embora raramente as pessoas lembrem, o couro é a pele de uma animal e, desta forma, para se manter bonito, precisa de alguns cuidados para ficar hidratado, com brilho etc. Para hidratar, assim como acontece com o couro sintético, é preciso passar um hidratante, que pode ser um creme de corpo neutro até um produto específico para este fim. Além disso, É importante manter as peças guardadas em locais secos – sem nenhuma umidade, para que a peça, literalmente, não mofe -sem luz e calor, e esticadas (para não fazer vincos). Outra dica é guardar em capas de proteção, como algumas em TNT ou de tecido de algodão (as plásticas podem causar umidade e mofar, pois abafam). Como normalmente as pessoas usam couro em cima de outras roupas ou em acessórios, e não sobre a pele diretamente, as peças não precisam ser lavadas constantemente. Porém, caso precisem, vale a pena investir em uma lavagem profissional para não danificar. Se lavar em casa, siga as orientações das etiquetas internas, que especificam produtos e forma de lavagem e secagem;

 

Bijuterias prateadas ou prata envelhecida: embora pareçam prata, é preciso lembrar que não são na hora de higienizar. Uma alternativa é usar borracha branca. Isso mesmo, aquela borracha escolar branca. Coloque a peça esticada em cima de uma toalha e vá passando a borracha em um sentido e sem fazer muita força. Você vai perceber na hora como vão ficando mais clarinhas. Normalmente, é uma limpeza mais usada para peças com solda, que não desmontem (como colares com elos abertos no fecho etc). Outra forma de limpar bijouxs (especialmente as foscas ou envelhecidas) é usando esponja e sabão de coco. Pegue a parte áspera da esponja (normalmente a verde), umedeça e passe no sabão. Assim como na outra técnica, coloque a bijouxs em cima de um pano e vá passando, com um pouco mais de vigor, a parte áspera em cima das peças. Faça também em um sentido. Você vai notar que a peça vai perder o tom amarelado (normalmente provocado pela gordura do nosso corpo ao suarmos). Quando estiver limpa e na cor original, passe agua corrente para tirar o sabão, seque delicadamente com uma toalha seca e jogue o ar quente do secador para não ficar com nenhuma gota de agua. Cuidado, que a peça ficará bastante quente, já que um jato de calor vai em cima do metal. Depois que ficar totalmente fria, coloque em saquinhos individuais e guarde;

 

Bijuterias ouro velho: se ficarem mais escuras pelo tempo guardadas ou em decorrência ao uso, há uma forma de torná-las novas de novo. Lave as peças com sabão neutro e seque. Em seguida, pegue uma palha de aço fininha (tipo Bombril) e passe na peça em um só movimento. Você vai perceber que vão clarear e ficar na cor original. Lembrando que essa técnica é apenas para peças envelhecidas, que já tem um certo “arranhadinho” nelas;

 

Joias com ou sem pedras preciosas: faça uma solução de água morna e detergente neutro (pode ser também shampoo de bebê). Pegue uma esponja e molhe o lado macio (ao contrário das bijouxs, que usamos o lado mais áspero) nessa solução e passa, suavemente, sobre a peça. Faça movimentos contínuos e vá percebendo que a cor original vai voltar (tanto do metal quanto das pedras). Depois, enxague em água na temperatura ambiente, coloque em cima de um pano limpo e macio e, com outro pano igual, vá secando cada cantinho. Se a joia tiver algum tipo de perfuração ou local em que possa acumular água, use um secador, mas apenas o vento em temperatura natural para tirar o resto da umidade (você pode também deixar secando naturalmente, mas prefiro ter certeza que nenhuma gota ficará lá. Depois, use uma espécie de flanela para lustrar. Guarde em local seco e individualmente para evitar arranhões e que se embolem;

 

Joias em prata: apesar de existir uma solução que muitos usam (aquele líquido azul), eu prefiro limpá-las à moda antiga, ou seja, mergulhando em água quente com sabão de coco e levando ao fogo. Depois, basta secar e colocar o secador até não existir mais nenhuma umidade (processo semelhante ás bijouxs). Com joias de prata, também funcionam as técnicas das bijuterias prateadas. Há uma crença popular que fala muito sobre usar pasta de dente, mas eu, particularmente, acho que não funciona por dois motivos: as vezes as pastas são abrasivas demais e, na maioria das tentativas, fica resquício de pasta na peça. Há, também, as flanelas mágicas, que podem disfarçar, mas não limpam realmente;

acessórios

 

Relógios: Após muito tempo guardados, os relógios podem começar a apresentar os mesmos problemas que bijuterias e peças de couro. Para começar, se tem o hábito de usar mesmo em casa, é preciso sempre limpar antes de guardar. Se forem de metal, passe um paninho úmido para tirar o suor, deixe secar e guarde. Se for com pulseira de couro, o mesmo processo dos outros acessórios neste material e na caixa, que normalmente é de metal, um paninho úmido também. Já os com pulseiras de borracha podem ser guardados depois de um pano com água e sabão. Molhe o tecido, passe para tirar qualquer gordura ou sujeira da pulseira, deixe secar e guarde. Lembrando que essa forma de limpeza é para o dia a dia ou para os que estiverem guardados por pouco tempo. Caso os relógios estejam guardados há muito tempo e a parte de metal oxidada, sugiro que leve a um local especializado;

 

Sapatos: já reparou que, se ficar muito tempo sem usar um sapato, ao colocar nos pés ele parece perfeito, mas vai se desfazendo à medida que vai andando? Isso acontece porque ele, literalmente, resseca. A sola vai perdendo pedaços e em cima, dependendo do material, vai descascando. A regra aqui é a mesma dos outros couros (seja fake ou natural). Mas e as solas? Por serem feitas, na maioria das vezes, de poliuretano, embora este seja um material resistente, pode acontecer uma reação química caso não sejam utilizados. Por isso, a cada dois ou três meses, coloque os sapatos e ande em casa. Ainda que você coloque e sente para assistir TV, eles devem ficar calçados um tempo, como se tivessem sendo “amaciados”.

 

Fonte: Bonde

Deixe uma resposta